ÂNGULO PRODUÇÕES

ÂNGULO PRODUÇÕES
Serviço Profissional de Fotojornalismo e Vídeojornalismo - Informações Ligue (11) 2854-9643

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Cruma lança o seu vídeo oficial #CrumaConteComigo - Vamos renascer das cinzas

Dia 11 de janeiro de 2016, o Cruma (Cooperativa Unidos Pelo Meio Ambiente) sofreu um incêndio, que destruiu não só o material que estava sendo ajuntado para o pagamento dos salários dos cooperados, como caminhões, bancadas, empilhadeiras, prensas, e todas as ferramentas de beneficiamento do material colhido, que o destina era a reciclagem.

Após isto, foi criado um Conselho Gestor, que juntamente com a diretoria e cooperados, tem trabalho em algumas ações, para a reconstrução do Cruma. E hoje, foi lançado o vídeo oficial da campanha (assista abaixo).

Já no dia 3 de fevereiro de 2016 às 9h30, será o lançamento oficial para autoridades, convidados, parceiros, amigos e toda população da cidade e região do Alto Tietê, em um evento que ocorrerá no Centro Cultural Taiguara, em cima da Câmara Municipal, ao lado da Praça da Bíblia em Poá.

Vídeo da campanha #CrumaConteComigo


Você já teve seus sonhos queimados?

Suas lutas e suas histórias reduzidas às cinzas?

De repente, nosso mundo ruiu...

Mas somos fortes viu! Vivemos de lutas.

E quem vive de luta renasce a cada dia!

CONTE COMIGO CRUMA, vamos RENASCER DAS CINZAS!

Faça parte desta Campanha, colabore!

Texto e Direção: Léo Souza
Produção: Marcelo Silva
contecomigocruma@gmail.com

#Meme - Jornalista que não coloca os créditos nas fotos


terça-feira, 19 de janeiro de 2016

#Taxi em Poá, chegou a hora de melhorar

Adilson Santos
A partir de hoje, a cidade de São Paulo tem novas normas e critérios para o serviço de táxi. Serviço este que esta se modernizando como não só nas principais cidades do mundo, como pelos avanços da tecnologia, onde na capital paulitas, o táxi terá que ter até carregador de celular e tablet, sem contar que todo carros tem que possuir a máquina para pagar com cartão de crédito ou débito. Segurança para ambos os lados. Ou seja, esta em vigor as nova regras de conduta e trajes para taxistas.

Mas Poá, nossa estância e demais cidades do Alto Tietê, não podem ficar fora desta, ou seja, tem que acompanhar a evolução da categoria.

Segundo a imprensa, havia muita reclamação sobre a falta de asseio, não só dos motoristas, como dos carros. Sem contar nos treinamentos de aperfeiçoamento, coisa que não existe em Poá, fora a informação que temos de que existe motorista que consome bebidas alcoólicas, ato este que nunca foi feita uma fiscalização pelas autoridades competentes. Já fumar, tem também motorista que fuma, o carro fede cigarro. Mas quem fiscaliza, nunca vê ou sabe de nada. Porque será heim?

Até as conversas tem que ser mais maneiradas, conforme as regras, que seguem abaixo. Isto na capital paulista, onde o cliente só paga a bandeira, quando entra no carro. Já em Poá e região, funciona diferente, o carro sai do local dele para pegar o cliente, faz o caminho que quiser e por vezes o mais longo, e o cliente é obrigado a pagar sem poder fiscalizar. Coisa do passado e cidade retrógrada.

Porque não em Poá?
Esta proposta de modernização e reforma da lei, irei propor, como membro do Conselho de Mobilidade Urbana de Poá, para que os taxistas da cidade não só sejam capacitados, pois a grande maioria deles, não conhecem e ou sabem que a cidade tem atrativos turísticos. Sem contar, ma baixa qualidade de serviço prestado. Tem deles com baixo valor profissional, que são capazes de jogar animal morto, no banco de passageiro do carro do colega. Caso este que até hoje o Departamento de Trânsito da cidade, ainda não apurou. E olha que dizem, que lá funciona com rigor. Imaginem se não fosse? Como não seria?

Perante esta e outras ações, a cidade de Poá, tem que rediscutir, suas regras e maneira de trabalho dos taxi em Poá, começando pela padronização dos carros, e usando os símbolos mundiais de serviços de taxi.

Ou será que tem ainda quem profira este profissionalismo tupiquim?!

Veja as novas regras para os taxisitas em São Paulo:

Traje
A Prefeitura classifica como traje adequado para o trabalho na prestação do serviço de táxi de maneira geral:
Traje social:
a) Camisa social;
b) Calça social;
c) Sapato social;
d) Cinto social;
e) Usar blazer ou caban, nos dias de clima frio;
f) Traje feminino compatível (tailleur);
Traje esporte fino:
a) Camisa social lisa, manga curta ou longa, de cor única lisa ou risca de giz;
b) Calça jeans - corte social liso, de cores escuras;
c) Sapatênis ou sapato social;
Traje para os taxistas da categoria de táxi Luxo:
a) Terno ou smoking;
b) Camisa social manga longa;
c) Gravata;
d) Sapato social;
e) Traje feminino compatível (tailleur).
Traje para os taxistas da categoria especial Vermelho e Branco:
a) Camisa social branca;
b) Gravata;
c) Calça social;
d) Cinto social;
e) Sapato social;
f) Traje feminino compatível (tailleur).
Trajes proibidos
São proibições expressas de uso de traje para o trabalho de taxista:
a) Camiseta esportiva, camiseta regata ou qualquer outro tipo de camiseta;
b) Camisa com estampas;
c) Shorts e bermudas;
d) Calça esportiva, calça de moleton e outras calças assemelhadas;
e) Tênis, sandálias, chinelos e outros sapatos similares;
f) Jaquetas de times, de associações, clubes, etc;
g) Gorros, bonés, capuz ou qualquer outro acessório que dificulte a identificação do taxista.
Condições obrigatórias do traje do taxista no local de trabalho:
a) Manter a camisa abotoada, exceto o botão do colarinho;
b) Sapato sempre limpo, engraxado e bem conservado;
c) Roupa sempre limpa e bem conservada;
d) Cinto sempre bem conservado e afivelado.

Higiene
Higiene pessoal exigida:
a) Cabelo e barba sempre arrumados;
b) Unhas limpas e arrumadas;
c) Qualquer aroma que cause incômodo ao passageiro:
- Suor;
- Cigarros;
- Bebidas alcoólicas;
- Perfumes com fortes fragrâncias.

Higiene do veículo táxi:
a) Manter cintos de segurança, assentos, encosto de braços, painel e demais itens internos do veículo limpos;
b) Manter limpo filtro de ar condicionado;
c) Aspirar teto, piso, porta malas e interior do veículo;
d) Manter a parte externa do veículo sempre limpa e polida;
e) Todos os acessórios disponibilizados aos passageiros devem ter limpeza constante;
f) Manter porta malas limpos e com espaço determinada pela homologação do veículo;
g) Manter o espaço dos bancos de assentos livres para o passageiro.

Conforto
Conforto e conveniência do veículo táxi:
- Obrigatório:
a) Carregadores de energia elétrica para aparelhos eletrônicos (celulares, tablets, notebooks, etc.);
b) Disponibilizar meios de pagamento eletrônicos;
c) Ar condicionado ligado, com ambiente refrigerado, sempre que solicitado pelo cliente;
- Opcional disponibilizar, como itens de cortesia:
a) Água potável;
b) Papel toalha;
c) Suporte para transporte de bicicletas.

- Atender com polidez e urbanidade o passageiro:
a) Recepcioná-lo com otimismo e alegria;
b) Desejar-lhe felicitações pelo momento do dia;
c) Mostrar-se prestativo:
- Cumprimentar o passageiro;
- Não discriminar, nem fazer distinção de passageiro;
- Abrir a porta para o passageiro e gesticular com as mãos indicando o acesso ao veículo;
- Abrir e colocar a mala do passageiro no bagageiro;
- Oferecer água e outros itens de cortesia.
d) Policiar-se no uso de palavras:
- Não proferir palavrões;
- Jamais atacar a honra de qualquer pessoa;
- Não fazer sarcasmo ou piadas constrangedoras;
- Respeitar-se a si mesmo e ao passageiro.
e) É proibido utilizar celular dirigindo o veículo táxi.
f) Porta malas: sempre limpo e com bagagem pessoal acondicionada em bolsa ou mochila, garantindo o espaço mínimo homologado do porta malas para uso da bagagem do passageiro.
g) Se o taxista não estiver em serviço, cobrir o luminoso.

- Atendimento personalizado de acordo com o interesse do passageiro:
a) Trajeto;
b) Informações turísticas;
c) Padrão do ar condicionado;
d) Noticiários ou música ambiente;
e) Manter-se em silêncio ou dialogar nos temas manifestados pelo passageiro;
f) Evitar polêmicas ou situações que provoquem estresse no passageiro em virtude de:
- Paixões esportivas;
- Convicções partidárias;
- Fé e cultos religiosos;
- Opções de comportamento pessoal;
- Não tratar de problemas particulares, nem da categoria.
g) Que o táxi seja espaço agradável e que o passageiro deseje utilizar sempre.

- É proibido ao taxista na prestação do serviço de táxi praticar qualquer ato ou comportamento que possa representar ou propagar preconceito de:
a) Raça;
b) Gênero;
c) Religiosa;
d) Partidária;
e) Esportiva;
f) Opção sexual;
g) Qualquer outro tipo.
- É proibido recusar passageiro ou escolher corrida.
- O ponto de estacionamento de táxi deve ser mantido em perfeito funcionamento porque ele faz parte do local de trabalho do taxista e dos usuários.
Segurança do veículo táxi para melhor atender o passageiro:
a) Pneus cumprindo normas de segurança;
b) Cumprir os prazos estabelecidos de segurança para revisões e manutenção de cada item do veículo;
c) Vistoria aprovada pelo DTP;
d) Freios ABS;
e) Air Bag.

O passageiro também pode fazer reclamações nos órgãos abaixo:
- Departamento de Transportes Públicos (DTP)
Por e-mail: dtpsac@prefeitura.sp.gov.br;
Por telefone: (11) 2692-3302; 2291-5416; 2692-4094
Por whatsApp: (11) 97205-7142

- Companhia de Engenharia de Tráfego (CET)
Organiza, controla e fiscaliza o trânsito na cidade de São Paulo.
Disque 1188

- SPTrans – São Paulo Transportes S/A
Fiscaliza o transporte remunerado.
Disque 156

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Abalados, catadores lamentam desolação causada por incêndio na #Cruma - #CrumaConteComigo

Samuel Ferreira
Apesar da tristeza e preocupação, catadores se unem para recomeçar tudo
A tarde do dia 11 de janeiro de 2016 jamais será esquecida pelos catadores que atuam na Cooperativa de Reciclagem Unidos pelo Meio Ambiente (CRUMA), localizada no bairro Calmon Viana, em Poá.

No final de mais um dia de trabalho e problemas resolvidos, eles viveram a realidade do pior pesadelo de quem trabalha com materiais recicláveis: um incêndio em grande proporção no Galpão de Triagem e Armazenamento. Por sorte, ninguém estava no local, pois já haviam fechado o expediente.

Apesar da boa intenção dos vizinhos e alguns catadores em se dirigir ao local e tentar conter as chamas iniciais, o fogo se alastrou rapidamente e nem mesmo a pronta ação dos soldados do Corpo de Bombeiros – que, segundo testemunhas, chegaram ao local em aproximadamente 15 minutos – foi capaz de impedir a destruição do fruto de um intenso trabalho, iniciado nos anos 90, em um pequeno galpão na Vila Varela.
Caminhão destinado à Coleta Seletiva atingido pelo incêndio: atividades
 estão paralisadas

Contudo, a ação heróica desses combatentes do fogo impediu que as chamas atingissem a guarita frontal e os compartimentos onde estão instalados os escritórios da cooperativa, nos fundos da área construída. No demais, além das estruturas do galpão, tudo o que havia em seu interior, como quatro prensas, empilhadeira, paleteira, caçamba, esteira, máquinas, equipamentos e muito material reciclável, foram completamente queimados, bem como os quatro caminhões estacionados no pátio.

Uma das vizinhas da cooperativa, a dona de casa Gislaine Alves da Silva Souza, de 53 anos, lamentou o fato ocorrido e fez um rápido relato sobre o momento em que sua família percebeu o princípio de incêndio na cooperativa.

“Eram seis e vinte da tarde quando o fogo começou a se alastrar. Meu marido saiu correndo para ver se tentava tirar os caminhões, arrombar os portões, porque não tinha as chaves. Era só explosão, explosão, aquela multidão, todo mundo querendo pular o muro para salvar a Cruma”, afirmou.

Tristeza e desolação
Única empilhadeira a gás utilizada na logística do galpão
Um dia após o lamentável acontecimento, cuja notícia repercutiu na imprensa local e regional, bem como em redes nacional e internacional, respectivamente, os catadores aparentavam ainda não acreditar no que estavam vivendo. Ao mesmo tempo em que sentiam a dor da perda do patrimônio e do próprio local de trabalho, expressavam preocupação quanto ao futuro de suas famílias, pois a reciclagem era a única fonte de renda disponível a eles.

Prova disso é o catador Luís Antonio Neves, de 49 anos, um dos cooperados mais antigos da Cruma que, assim como os demais companheiros, externou sua angustiante preocupação com o amanhã.

“Perdi meu ganha-pão, meu sustento. Agora não tenho para onde ir, estou desempregado. Agora quero ver como eu vou fazer sem trabalhar”, disse, sentado na calçada e com patente expressão de tristeza na face.
Galpão de Reciclagem da cooperativa ficou totalmente destruído pelo fogo
Por sua vez, a colega de trabalho Maria Madalena não tem reação diferente de Neves: “Estou me sentindo triste, precisamos de uma ajuda do prefeito, pelo menos um local adequado para nós podermos trabalhar e sobreviver. Eu e meus companheiros dependíamos desse local de trabalho destruído”.
Prensas para a produção de fardos ficaram afetadas pelas chamas

Além da perda do galpão e equipamentos, ela sofreu com a situação de calamidade pública provocada pelas constantes chuvas na cidade, uma vez que a enchente atingiu seus móveis e mantimentos.

“Nós não morremos, estamos vivos, então não acabou tudo”

Embora igualmente abalada, a coordenadora da cooperativa, Elza Maria Rodrigues, 58, entende que, apesar da perda material e do abalo emocional dos catadores, todos precisam se unir para recomeçar tudo e acreditar que o sonho de uma vida mais digna ainda não acabou.

“Meu astral abaixou totalmente. Na hora em que vi tudo aquilo, eu pensei ‘acabou’, mas, depois eu pensei: ‘nós não morremos, estamos vivos, então não acabou tudo’. Vamos recomeçar de novo, mais fortes e firmes no que estamos fazendo, ajudando a comunidade, nós e o meio ambiente”, disse.

Trator enviado pela prefeitura remove material reciclável queimado pelo fogo
“A prefeitura começou a nos ajudar, já é um bom começo e vamos tentar ver se eles ajudam mais ainda”, afirmou, se referindo à limpeza dos resíduos queimados iniciada pela prefeitura no galpão da cooperativa na quarta-feira (13). “Nós temos, diretamente, 45 famílias que trabalham aqui e indiretamente 150 pessoas que dependem dessa cooperativa”, finalizou.

Apesar da triste realidade, no dia seguinte ao incêndio, os catadores fizeram uma reflexão e concluíram que um trabalho construído há 20 anos não poderia sucumbir frente às forças negativas, por maior que fosse. Assim, se reuniram e resolveram buscar soluções para, ao menos, amenizar o sofrimento que viria pela frente.

Um grupo de aproximadamente 20 catadores, se organizou, confeccionou cartazes e se dirigiu à prefeitura. Os catadores foram recebidos pelo prefeito Marcos Borges e solicitaram a elaboração de um plano emergencial, unilateral, com tomada de ações imediatas, com a finalidade de evitar a total paralisação dos trabalhos de coleta seletiva e triagem dos catadores.

Parte dessa iniciativa teve início na manhã seguinte à reunião com o prefeito, quando, após o pedido dos representantes da Cruma, um trator da prefeitura iniciou a remoção do material queimado, que foi depositado em uma caçamba da empresa Pioneira, para a correta destinação.

Gestos de Solidariedade
Desde a notícia do incêndio, estão ocorrendo diversas manifestações de solidariedade e apoio aos catadores, tanto pessoal, quanto nas redes sociais. Até mesmo uma campanha de doação financeira ou de alimentos à Cruma está sendo proposta por simpatizantes da causa, como o ativista social, repórter fotográfico e blogueiro Adilson Santos, protagonista da ação, com a hashtag #crumacontecomigo, ação esta que começou na Comunidade POÁ COM ACENTO.

Diante disso, dirigentes da Cruma sugerem a criação de uma comissão paritária, composta por representantes da cooperativa, do poder público e da sociedade civil, a fim de acompanhar as doações, bem como a destinação das mesmas, com publicação em sites e redes sociais.

Comovidos com a causa, dirigentes da ‘El Sabor Paleteria’ publicaram em redes sociais que todo o lucro obtido com as vendas de sorvetes nos dias 13, 14 e 15 de janeiro será doado à cooperativa. A sorveteria fica situada na Avenida Vital Brasil, 381, na região central de Poá.

A Cruma é considerada de utilidade pública e mantém convênio e parceria com o Poder Público.  Alterações nesse convênio, para melhor atendimento aos catadores, também foram discutidas com a prefeitura, cujas conversações serão retomadas numa reunião a ser realizada no próximo dia 29.

Enquanto os fatos se desenrolam, essas famílias de catadores buscam reunir forças para suportar a dor e superar esse difícil ciclo, sempre ‘unidos pelo meio ambiente’, como sugere o próprio nome da cooperativa.

Fotos: Samuel Ferreira

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

#Incêndio de grande proporção destrói galpão da cooperativa Cruma

Samuel Ferreira
TV mostra bombeiros combatendo as chamas bem próximo ao incêndio
Na tarde desta segunda-feira (11), um incêndio de grandes proporções atingiu as instalações da Cooperativa de Reciclagem Unidos pelo Meio Ambiente (CRUMA), situada no bairro Calmon Viana, em Poá (SP).

O fogo, que começou por volta das 18h00 e consumiu todo o material altamente inflamável que estava armazenado no galpão de reciclagem da cooperativa, produziu uma grande cortina de fumaça e foi controlado pelos homens do Corpo de Bombeiros, que disponibilizou três viaturas.
Fardos de papel, papelão, garrafas PET e demais materiais de fácil combustão contribuíram para a propagação das chamas.

Não houve vítimas, uma vez que os cooperados, que terminam o expediente às 18h00, já não estavam mais no local no momento do incidente.

A Defesa Civil de Poá auxiliou os bombeiros durante o combate às chamas. Prensas, empilhadeiras e dois caminhões, além de outros equipamentos, foram destruídos pelo fogo.

As causas do incêndio serão investigadas pelas autoridades competentes.

Foto: Adilson Santos - Reprodução da TV Bandeirantes

domingo, 10 de janeiro de 2016

2016 começou com a pior enchente na cidade de Poá, e prefeito poderá decretar Calamidade Pública

Adilson Santos
No dia 9 de janeiro no final da tarde, a cidade de Poá recebeu uma chuva de verão onde aparentemente era forte, mas não imaginávamos que seria uma das mais intensas da cidade de Poá, que para dar enchente, é preciso de uma chuva com 58 milímetros. Já ontem, em 50 minutos de chuva, o índica foi de 85.2 mm. Ou seja, muito acima do que a cidade, e seus rios suportam. Segundo a autoridade da Defesa Civil de Poá, na rua Hermogenes La Regina na área central da cidade, o nível da água chegou a 1,40 metros. De todas as pessoas que conversamos, sejam elas moradores e ou comerciantes ribeirinhos, nunca houve uma chuva com tanta intensidade e estragos como este na cidade de Poá. Chuva esta que mobilizou diversos setores público, desde funcionários não só da Defesa Civil, como de diversas outras áreas, para não dizer quase todas do Executivo Municipal, leia-se prefeitura. Houve envolvimento também, de forças de segurança, como do Corpo de Bombeiros, e Policia Militar, que mesmo tenso sua companhia ilhada, haviam policiais nas ruas, contendo ações de atos de vandalismo e invasão de comércio, onde muitos tiveram as portas destruídas, ato este, que para quem pratica vandalismo e aproveita desta situação, para saquear mercadorias e objetos das lojas. Segundo autoridades não houve nenhum caso de óbito registrado até o momento, as percas que tiveram e foram muitas, são de objetos e utensílios domésticos, mercadorias estragadas, carros flutuando e até um quiosque, como mostra o vídeo. Na região do Alto Tietê, houve diversas cidades atingidas pela chuva, entre eles a cidade vizinha de Ferraz de Vasconcelos, onde segundo a Defesa Civil do Estado, um grupo de aproximadamente 200 moradores, foram abrigados em uma igreja Assembleia de Deus. Já na cidade de Guarulhos e São Paulo, houve muitos estragos, inclusive como informa o Corpo de Bombeiros, houve óbito na zona leste da cidade paulista. Prefeito Marcos Borges poderá decretar Estado de Calamidade Pública Após a enchente que assolou Poá no dia de ontem, diversos funcionários da prefeitura de Poá, sejam eles concursados ou comissionados, por iniciativa própria, foram até as ruas da cidade e ou seus departamentos de trabalho, ver como poderiam ajudar, onde muitos se colocaram à disposição. Seja secretários, diretores, e ou servidores de diversas pastas, sem contar da Defesa Civil, que já sabem que nesta situação, tem que irem para a rua prestar socorro. Diversas famílias foram atendidas, nos bairros das Vilas Varela, Lúcia, Bandeirantes, Romano, Alvorada, Fonte Aúrea e adjacências e cidade Kemel. A secretara de Assistência e Desenvolvimento Social, atendeu uma média de 300 famílias, onde form distribuídos kits de higiene, e também colchões e alguns cobertores, para acolhimento de emergência. Trabalho este feito com coordenação de 6 assistentes sociais, que trabalharam até por volta das 4h de hoje. Apuramos que o prefeito de Poá Marcos Antonio Andrade Borges, esteve após a chuva a noite, nas ruas da cidade, onde ouviu diversos moradores e até comerciantes, onde teve até principio de hostilidade para o alcaide, perante a revolta de alguns. Mas o momento era e é emergencial, pois na área central da cidade, houve diversas avarias, não só no nas ruas, calcadas como em diversas casas e comércios. Perante isto, o prefeito já entrou em contato com o governo do Estado de São Paulo, e já está sendo feitos relatórios e enviados para diversos órgãos, para que amanhã no primeiro horário, já em reunião com toda a equipe do primeiro escalão do governo, seja feito um balanço geral. Uma fonte nos disse que o prefeito irá tomar todas e qualquer medida para revolver as percas o mais rápido possível, e já pensa em se for necessário decretar Estado de Calamidade e ou Emergência, o prefeito Marcos Borges fará isto para atender os prejuízos e transtornos causados na cidade. O povo tem sua parcela de culpa Claro que o Poder Público através de seus agentes, tem sua parcela de culpa. Mas o povo também é o grande responsável, porque não cobra das autoridades, e nem participa do processo processo político como deveria, não acompanham os mandatos e não cobram nada. Já quando vão votar, participam menos ainda. E no dia a dia, cimentam todo o seu quintal, não deixa uma local para que as águas da chuva penetre na terra. Não plantam árvores em suas calçadas e junto com o poder público, impermeabiliza, cada vez mais o solo, as ruas da cidade e dos bairro. Sendo assim gente, quando chover, a água irá escorrer, e se não tem lugar para infiltrar no solo, ela irá correr, descer as ruas dos altos, e irão para os córregos e rios. Estes, encherão rápido como ontem, e a cidade continuará tendo enchentes, se todos juntos, não tomarmos medidas para tal.

Fotos: Colabores do Grupo POÁ COM ACENTO - https://www.facebook.com/groups/poacomacento/